Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MEU "VOVO", MINHA PRIVADA

Quando me dá vontade de variar das minhas práticas heterossexuais, vou a um cinema pornô que frequento há algum tempo, sempre no início da noite. Lá, conheci S. Antônio, o qual adorava cheirar, lamber, chupar e enfiar toda sua língua dentro do meu cu, suave e demoradamente, e depois salivar e penetrar um ou dois dedos nele (delícia!!!), devagarinho, enquanto eu gozava gostoso na boca dele (“dá leitinho dá, meu netinho”, ele falava); isso acontecia sempre no banheiro dentro das cabines.



De vez em quando pedia para que eu o enrabasse. Na maioria das vezes, eu estava com o cuzinho “batizado” sá para sentir a reação dele, a qual, aliás, não poderia ser melhor: açodado e com a boca cheia dÂ’água, ele cheirava e sugava o meu rabinho com uma intensidade sem igual. Esfoliava-me o cu aquela áspera e deliciosa língua. às sextas-feiras que nossos encontros aconteciam.



S. Antônio devia ter mais de 65 anos, mais ou menos 1.70m, corpo normal (apesar da barriguinha), grisalho, meio calvo e tinha um bigodinho estilo Clark Gable. Num bate-papo, disse-me ser divorciado, aposentado, tendo um único filho casado, morando sozinho em outra cidade da Baixada Santista práxima a Santos, e inclusive me convidando para assistir o futebol na TV qualquer domingo à tarde na casa dele. Ainda falou que se eu aceitasse o convite, ele tinha idéia de me fazer uma surpresa, mas para tal, eu era parte fundamental para a realização dela, e não adiantaria eu perguntar o que era porque ele não falaria, afinal, surpresa é surpresa! Então, já que era assim, falei que iria no domingo a seguir e peguei seu endereço. Intuía calorosos prazeres.



Cheguei à casa dele uma hora antes do jogo. Afetuoso, foi logo preparar um café. Papo vai, papo vem, comentei sobre algo interessante que estava na estante e levantei-me do sofá indo até ela para ver mais de perto. Alguns instantes depois, eu escuto o som de alguém fungando atrás de mim. Olhando para trás, vejo o S. Antônio de quatro feito um cachorrinho a fungar e farejar minha bunda. Aquilo me excitou instantaneamente e meu cuzinho (“batizado”, é claro!) começou a latejar incontrolavelmente. Antevendo e adorando o que estava por vir, empinei a bundinha, rebolando, e abri as pernas para facilitá-lo.



A seguir, ele foi me escalando com o seu corpo lambendo o meu e começou a me encoxar, roçando e esfregando seu pinto duro na minha bunda abraçando-me por trás. Eu pude sentir as vibrações molhadas de seu hálito quente enquanto murmurava obscenidades e beijava minha nuca, depois sofregamente a minha boca, arrepiando-me todo a fazendo-me rebolar ainda mais.



Alternada e metodicamente, iniciou a nos despir. Sentou no sofá e abocanhou meu cacete sugando-o com um fervor tamanho que eu nunca vira igual, ao mesmo tempo em que acarinhava meu pulsante botaõzinho. Virou-me e espetou a cara na minha bunda, lançando-se com igual disposição e uma volúpia tal a cheirar e sugar meu rabinho que chegava até a doer.

- Ahhh,... esse cheirinho delicioso de cu me enfeitiça! Eu amo de paixão seu cuzinho, meu netinho gostoso! – balbuciou com a voz rouca e embriagada de desejo e prazer.



Delirado, eu me abri todo, afastando mais as pernas, empinando mais a bundinha, e rebolando sensualmente. Ele levantou-se e esquadrinhou meu corpo todo cheirando-o e lambendo-o com frêmitos de tesão, frente e verso. Depois, deitou-se ao chão e me pediu para sentar sobre o rosto dele, suplicando num tom febril:

- Eu não aguento mais...! Caga gostoso na boca do vovô, caga, meu netinho tesudo! Era essa a surpresa que eu tinha para você. Espero que goste. Por favor, caga gostoso, vai... eu preciso tanto...! Tenho essa fantasia há muito tempo,... ser a privada de alguém,... ser a sua privada, meu netinho... Por favor, vai...?! Faz pra mim um grande churro de chocolate, faz... meu netinho,... heim,... faz...?!



Imediatamente e em desespero, ficou dando ávidas e fugazes linguadas no meu rabinho, mordiscando e beijando aflitivamente ao seu redor, e a seguir enfiou fundo a língua dentro dele arrancando-me um solitário e surdo gemido. Com a expressão crispada e me contorcendo todo, apás dar um longo peido em rajada, comecei a expelir um único cagalhão grosso, muito grosso, seco e comprido, empurrando a língua dele, que saiu arranhando minhas entranhas e deixando-me com a rosquinha em chamas:

- A-ai,... tô cagan-do gos-to-so! Ca-gando gos-toso na boca do v-vovô...! Come a m-minha merda, come,... a-ai... vozinho! T-Tá gostosa a minha... m-mer...da, heim... vovô? Hummm... aaiiii... de-lí-ci-a! – quase afônico, ante a passagem daquele poste, disse num tom angustiado e entrecortado.



Em transe, ludicamente ele se deliciava com a guloseima. Com o olhar marejado, sobreveio-me um pungente gemido de alívio e prazer ao acabar de colocar o imenso rejeito pra fora. Ele engoliu grande parte dele, e depois fez da sua língua meu papel higiênico. Ofegante e suado, sentei no sofá enquanto ele ficara em pé na minha frente com minha boca a poucos centímetros da sua salivante piroca. Eu babava ao sentir aquele delicioso aroma do seu caibro. Meu sangue começou a borbulhar! S. Antônio tinha um dote gostoso, não era muito grande nem muito grosso, levemente arqueado para cima, e tinha uma cabeçona que parecia um cogumelo. Era um belo mastro.



Com ânsia, iniciei a punhetá-lo e minha boca deslizou naquele caralho saboroso, sorvendo-o com ardor. Hipnotizado, parecia uma eternidade os instantes em que fiquei chupando aquela delícia. Logo apás, com o coração aos saltos, coloquei-lhe uma camisinha ficando de quatro no assento do sofá com as pernas arregaladas, e ofereci meu bueiro sedento pra ele se divertir, dizendo com inflexão infantil:

- Vem,... come o meu buraquinho de fazer cocô gostoso que cagou na boca do vovô! Vem,... fode esse rabinho cagado,... fode... fode o cuzinho do netinho,... fode... ai, delícia... tava gostoso o meu cocô, tava? Viu como o seu netinho caga grosso e gostoso,... vozinho? Vem,... vai... mete gostoso... vai... ai,... vovô safado... vovô malvado...!



E ele veio! Ouvia os gritos de súplica das minhas pregas para serem lasseadas. Antes, para prepará-lo, lambeu e lambuzou meu piscante orifício com umas três e quatro cuspidas, recebendo um peidinho como agradecimento pela preocupação. Eu suspirava de expectativa! Acomodou, então, a cabeçorra à entrada do meu afogueado conduto, e forçou, suave mas firmemente. Não deu. Escapou. Ajeitei-me abrindo mais as pernas, curvando-me mais, e arreganhando mais a bunda. Para relaxar o guloso, fiz força para fora como se fosse cagar gostoso.



Com vagar e destreza, comprimiu e empurrou a graúda glande para dentro meu apertado ânus. Ardeu um pouco e doeu, mas era uma dor deliciosa. Avarenta, a minha cova engoliu todo o membro dele até eu sentir seu saco encostar na minha bunda, e iniciar o lento, macio e delicioso movimento de vaivém. Dali há pouco, senti os indícios do orgasmo dele se aproximar de forma avassaladora. Deu-me uma cravada profunda com a face franzida de prazer e, num solitário e sonoro urro, revirou os olhos seguido por um longo suspiro despejando seu esperma em golfadas dentro do meu buraquinho, para depois desfalecer-se ao chão! Meu “vovô” resfolegava. Eu fiquei na mesma posição, arfando, todo arreganhado, como a arejar meu chamuscado canalzinho salpicado de bosta.



Na sequência, ele me colocou sentado no sofá e sequestrou minha vara implorando para eu gozar na sua boca. Sugava-a com impaciência e agonia, enquanto impiedosamente varava com dois dedos o meu fatigado e sofrido anelzinho. Doía, mas eu adorava! Não demorou muito, e o visgo quente do meu sêmen encheu sua boca, com meu furinho latejando espasmodicamente quase decepando seus dois dedos socados nele. Depois, para beber, dei-lhe uma gostosa, borbulhante, espumosa e refrescante mijada na boca num jato forte e encorpado que ele chegou até a engasgar, mas arrotando e sorrindo-me saciado com os lábios colando quando terminei.



Um pouco mais tarde, fodi o rabo dele. Nas outras vezes em que transamos, S. Antônio derramava leite condensado no início do meu reguinho, escorrendo pelo mesmo, depois aparava lambendo quando a iguaria chegava ao meu doce lolozinho, e também besuntava-me todo com calda de cerejas enfiando as mesmas no meu rabo, alternadamente, para logo depois eu cagá-las na sua boca. Delicioso!!!



Procuro “vovôs” que me dêem igual tratamento, sem preconceitos de raça, aparência física, condição social etc.

Sem interesses financeiros e emocional, sinceramente! Aceito propostas de homens mais jovens. Não sou afeminado e tampoucdo tenho trejeitos afetados. Tenho mais de 40 anos.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Comtos mae fodida pelo filho e sobrinhocontos eroticos dançando com a filhacontos eróticos com cachorrosrelatos eroticos minha descobri que era corno foi arrombadacontos eróticos rapidinha na ruaChiquinho chupando pintoMinha mulher gosta de mostra a buceta pros meus amigos ai eles comem Ela contos eroticosmeu amigo me deu a sua esposa contosconto erotico minha mae deuloiro curto de meladinha de pernabem novinho cumendo a irmam novinha virjem que nem peito tem ainda mas fode gostozoconto erótico fiz da mulher do caseirominhaconto erotico: ...chegando na cachoeira alguns garotos ficaram pelados..as rola de pratigo na bucetaconto erotico tarado comendo buceta da cabrita no.zoofiliamadastra omilha a entiada e obriga a chupa a buceta delaContos eróticos submisso da coroaConto erotico de mototáxi com a picona e meninascontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto de cunhada religiosa e safada no sexocontos eroticos Tia lesbica comeu meu cucontos eroticos vi o pauzao do meu sobrinhocontos familia na praiaConto d esposa magrinha e safadinhaminha mae era puta do meu avô contoscontos pequei minha prima com o namorado dela e chantajiei elacontos eroticos afilhadacontos de fuder avócontos de rabudascontos heroticos - brincando de pique escondecomendo o cu da sogra contoContos eróticos de esposas coroas de amigoscontos eroticos acampamento pirenopolismunher tira a roupa e faz putaria com sua primaContos travestis com mulhercontos eroticos de mulheres casadas que ja levou mijada na caracontos eróticos com fotos de casadas que foi comida por mais de um homemcontos/ morena com rabo fogosocontos erotico pirocaocorno humilhaca gay negao conto eroticocontos eroticos comi minha espetoracontos com travestifoda.mulhe. d.chotinho. fudenocontos sem calcinhacurra gordinha contoMeu Rabo me fazpicudao e novinha e dimaia e goz xvidioconto erótico descobrindoCornos by contosfudendo a raspadinha da esposa contocontos eróticos acompanhante no hospitalcontos eroticos ai ai me fode fode primoida a delegacia conto porno gaycontos eróticos usada pelo padrinhoFudeu Me Enquanto Dormia Contocontos betinha vendo a irma sendo fodidacontos eróticos casada não resistiu e traiucontos eroticos enganado virei travesticontos eroticos mulheres casadas traindo com dodato meninocontos eroticos quando era novinhapapai bebado conto gayPorno contos incesto familia prazer total qualquer idadesafadinha traindo contosconto vadiazinha adorominha esposa me apresentou seu comedorcontos de mulher com cachorrocasa erótica no ônibus cheioporno agiota estouranda a buceta da mulher do devedoconto mulher casada rabuda dei pedreirocontos de coroa com novinhorelatos nossa que cdzinhalindacontos eroticosmeu marido me chamou pra ver um filme porno com os amigoscontos eroticos de menino inocente brincando de esconde esconde e sendo errabado de tras do sofafilho da ola grande fudendo abuceta da egua