Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

GOSTA DE APANHAR NA BUNDA DE CHINELO

Mariza é minha colega de banco. Uma loira alta, altamente sensual e provocantes, mas com manias e idéias estranhas na cabeça.

Uma das manias da Mariza, que no início eu achei uma perversão, mas depois acostumei com a idéia, era gostar de levar uma surra de chinelo na bunda antes de transar.

Eu nunca fui muito chegado a esse tipo de coisa, sempre fui muito carinhoso com as mulheres e quando fui transar com a Mariza pela primeira vez, aliás, nem chegamos a transar, ela me pediu para dar umas chineladas em sua bunda até suas nádegas ficarem vermelhas.

Moro sozinho em um apartamento de dois quartos e pra mim não tinha problema algum executar aquela fantasia sexual dela ou, sei lá como chama isso, mas fiz o que ela me pediu, cumpri a risca tudo que ela mandou fazer e no final, ela ainda disse que eu tinha a mão leve.

Transar com Mariza sempre foi um sonho de muitos homens. Era uma loira muito vistosa, um corpo muito bem delineado, as pernas bem torneadas, o bumbum arrebitado e carnudo, muito bom para uma surra de chinelo mesmo, mas eu preferia fazer outras coisas com aquela bundinha saliente e cheirosa. Enfim, Mariza tinha fartos seios, um rosto muito bonito e uma vasta cabeleira loira que chamava atenção de todos.

Com seus 25 anos, teve dois namorados que acabaram cansando das árduas tarefas do uso do chinelo e partiram para outra e num desses dias de eterna solidão, me procurou na agência bancária em que trabalhavamos para resolver um assunto particular dela e acabamos em meu apartamento.

Para dizer a verdade, eu sentia uma certa excitação em dar essas surras de chinelo na Mariza antes da transa, mas confesso que preferia falar alguma coisa mais romântica, ouvir uma boa música, ao invés daquele monátono estalo do chinelo na bunda nua de Mariza.

Para não perder o costume e nem as transas recheadas de surpresas, eu seguia a risco o que ela pedia até que chegou um dia que as coisas fugiram da rotina.

Havíamos combinado dela ir em meu apartamento as 8 da noite, mas por volta das 7 horas, ela me ligou pedindo que eu fosse ao apartamento dela. Ela também morava em um apartamento de dois quartos sozinha e variar sempre é interessante. Sá que, além da mudança de local, ela quis variar também a forma da surra naquela noite.

Mariza comprou, numa dessas lojas que vendem material para sexo um chicote de 6 tiras de couro cru e me pediu que amarrasse ela na cama e desse 50 chicotas em suas nádegas.

Uma chicotada com aquele chicote você sente dor para uma semana inteira, imagina 50 chicotadas bem dada? Eu tentei argumentar, mas diante a negativa de Mariza, fui obrigado a cumprir a tarefa de feitor, aplicando as 50 chibatadas em suas nádegas.

Ela deitou na cama com dois travesseiros abaixo dos quadris, fazendo com que a bunda ficasse bem empinada e por sinal, muito gostosa, atei as mãos e os pés na cama, amordassei sua boca, como ela havia pedido e fomos começamos o castigo.

Como ela sempre reclamava que eu tinha a mão leve, resolvi colocar um peso a mais para ver se satisfazia seus desejos por completo. No primeiro estalo do chicote naquela bunda empinadinha para cima, ela já deu uma rebolada e um gemido abafado, devido a mordaça que não deixava ela falar absolutamente nada.

Coloquei um pouco mais de força na seguda chicotada que estalou alto e deixaram 6 vergões das tiras de couro a mostra naquelas nádegas encantadoras. Mais uma vez ela contorceu os quadris, mas não dei tregua, levantei com vontade o chicote e desferi mais meia dúzia de chibatadas na bunda e nas coxas fazendo com que ela gemesse bem mais alto, não sei se de dor ou prazer, na dúvida, continuei com o castigo.

Outras 6 bem aplicadas e já podia observar os vergões aparecerem com mais clareza. O chicote era desses para amansar burro bravo e como ela era um pouco problemática, aproveitei para domar aquela égua amarrada na cama apanhando na bunda com vontade.

Por volta da trigésima chicotada, perguntei se ela estava gostando, mas ela enfiou a cabeça no travesseiro e não respondeu. Continuei meu papel de feitor levantando o chicote e desferindo os golpes ora nas nádegas que já estavam muito avermelhadas, com tiras cruzadas e transversais e ora nas coxas que também já mostrava os vergões bem acentuados.

Mariza gemia e rebolava a medida que o chicote estalava gostoso na sua bunda loira. Slap, slap, slap... Eu, fui ficando excitado com aquela situação e terminado o castigo, 50 chicotadas aplicadas com perícia, tirei a roupa, deitei por cima dela amarrada mesmo e a penetrei por trás. Sua vagina estava ensopada e a penetração não foi difícil, comi por umas duas vezes aquela bucetinha deliciosa e para variar o cardápio da noite, aproveitei que ela estava atada a cama e amordaçada, penetrei o cuzinho apertadinho que, até então, eu nunca tinha experimentado.

Mariza rebolava como uma verdadeira puta com meu cacete de 19 centimetros dentro daquele cuzinho virgem. Fiz questão de esperar entrar os 19 centimetros para gozar gostoso bem no fundo daquela caverninha misteriosa.

Termida a seção, desatei as amarras e tirei a mordaça de sua boca e ela mal podia falar, tamanha era a dor no rabo que tinha perdido a virgindade e na bunda que estava com uma enorme tatuagem e com as marcas das tiras do chicote.

Antes de levantarmos para tomarmos um banho, perguntei como tinha sido a experiência de levar as 50 chicotadas ao invés do tradicional chinelo. Ainda sem poder falar direito, apenas sussurrou. - na primeira eu mandei você parar porque a dor estava insuportável, mas você continuou.

Pudera, toda vez ela reclamava que eu tinha a mão leve, quando resolvi colocar um pouco mais de força na mão, queixou-se de muita dor. Até para apanhar Mariza dava trabalho. Que garota problemática, meu Deus!





VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos d incesto irmã médica dormindo peladazoofili negao magro com umaaconto chupei a bucetinha da minha sobrinha de sete anos que ficava na minha casaconto a idosa tinha uma buceta e.ormecontos eroticos passeioContos eroticos irma rabudaconto erotico madre superiora popozudacontos eroticos papai me fodeuporno conto maemais de um 1metro de pau enfiando ate o talo na bucetacontos eroticos com a boquinha cheia de porra incestonovinha inocente chorando com dote da travestixoxota um pecado contos incestosrola de meu pai conto gayo ajudante de pedreiro chupou minha rola quando eu tinha dez anosmeladas e nuas todas meladas de margarinascontos erotikos comendo o cu da minha madrinhacontos etoticos dpvelha cavala virando olhonovinho virgem contos nn gayMinha namorada deu a bucetaConto erotico gay o tio do mei amigoesposa puta do meu tio corno contocontos esposa sentiu uma rola gigantecontos eroticos congresso medicoContos eróticos- cagou no pau grossocontos eroticos peidei na rola do meu tiovelhotaradocontoscontos gay afeminado capataz fazendacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos de comi a mãe do meu amigocontos aprendendo o que e uma buçeta com a mamaecu de bebado não tem dono contos eróticos gaycontos deu para homen de rola grande e gozou muito de esguinchocontos a cunhada da primaconto erotico prima safadinhaconto erotico morenas e o professorcontos de mulheres ninfomaniaca por sexocontos erotico defrorado pelo irmão mas velhocontos eroticos da vagabunda do cornodesce com a x*** no paucontos eroticos encoxei uma mulher aconpanhado nocontos eróticos frio inverno geladocontos eroticos de como meu amigo me comendocontos eroticos de enrrabadoscontos eroticos menina novinha virei mulherconto lesbica humilhadacontos eroticos amiga da minha mae velha coroa viuvaconvidei minha irmã para tomar cerveja e acabamos indo pra um motel contos eróticosx video pertelhosTrav.goza.duaz.veszeztaras de ficar olhando outroa fuderminha filha piranha foi me visitar contoHomem mais velho iniciando duas meninas novinhas as chupar pica contos eroticossequestro e muitas lambidas no greloconto de medica lesbicacontos eroticos de mini saiaOlha so pai como ta minha bucetinhao pai da minha amiga é um tesão contos eróticoscontoseroticos eu minha maeporno gorda loira q mechia no selularcontos dando pra velhinhoConto erotico. Da leite para a profefudendo a sobrinha contoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentemulher acima d 90kg crente contosViolentei a deficiente contos eroticosvonto erotico cadsfa msngozou no cu da minha mulher contoscontos heroticos dormi com minga mae e ela mexeu na minha bucetacontos eróticos que advogadas fode com meninos novinhoscontos esposa putaporno contos eroticos engoli a porra do papaientão toque consulta paciente e chupa b***** no pacientecontos eroticos mulher na pescaria leva pau no cucontos com fotos mulher do primo de saiacontos eróticos de irmão irmão comendo a mulher no outroporno mobile sequioso animal com mulheresminha mulher pegou eu dando para o piscineirovideo porno gay padasto grandao aloprado fundendo enteadocache:tCqBSJiMNvAJ:okinawa-ufa.ru/conto-categoria-mais-lidos_6_13_orgias.html meu sobrinho pausudo comeu minha filha. conto eróticosvisinhacasada