Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

VIRADA RADICAL

eu tinha dezesseis anos, eu já era bem delicada, branquinho, pequeno, com apenas 1,65 de altura. Estranho, e todos percebiam isso e pareciam se calar. Foi quando alguns pensamentos começaram a criar forma em minha cabeça. Nessa época eu tinha uma amiga já com dezoito anos, e foi com ela que confidenciei que estava sentindo desejos incomuns para um adolescente, do tipo, ficar olhando para meu vizinho e pensar em algo a mais. Ela riu quando contei e disse que eu estava virando menina, não menino. Chateado com ela pela brincadeira, levantei para ir embora, quando ela me segurou e pediu desculpas. Disse que percebia que eu diferente, e que dia mais, dia menos, isso iria acontecer. Se ofereceu então para transarmos, para ver se eu gostava de mulher mesmo. Eu pensei e aceitei seu convite. Fomos até seu quarto, ela se despiu, eu também fiquei nu e fomos para a cama. Era minha primeira sexual, nunca havia me deitado com ninguém. Ela começou a me beijar e me acariciar, eu sem jeito com isso, retribuía da melhor maneira que podia, porém, apás ela tentar por mais de trinta minutos, de todas as formas, eu não conseguia a ereção. Ela então me olhou nos olhos e disse que eu não tinha tesão por mulher, que eu precisava mesmo de um macho. Assustado, perguntei se não doía ser penetrado. Ela me explicou que eu deveria estar relaxado, e que ser penetrado era a coisa mais deliciosa do mundo, o sexo era muito forte. Vendo eu ali pateticamente deitado totalmente brocha, com um pintinho de nada murcho, ela me perguntou se eu queria experimentar. Disse que tinha medo e como ela iria fazer isso comigo. Ela deu um sorrisinho e me mandou esperar um pouco. Voltou com um pênis de borracha preso por uma cinta e rindo, falou que iria agir igual a um homem e eu seria a mocinha dela. Assustado com o tamanho da borracha preta que ela portava, ela me disse que vida de mulher era assim, um dia tem pequeno e tem dia que tem que aguentar os grandes. Veio até a cama e começou a sugar meus mamilos, belisca-los. Aquilo foi me deixando em um estado estranho, parecia que estava passando mal, mas percebi que era tesão puro. Sentia que estava nas mãos dela e isso estava me deixando excitado, embora sem ereção. Ela logo percorria meu corpo todo com suas mãos, apertada e alisava minhas nádegas e fui me entregando calmamente àqueles carinhos deliciosos, até já me contorcia sobre a cama, com ela sobre mim. Sentia aquela borracha tocar meu corpo e ela a aperta-lo entre nás. Ela então começou a morder e chupar minhas orelhas e disse bem baixinho para mim relaxar. Senti então um dedo seu entrando em mim. Doeu um pouquinho, mas estava gostoso sentir ela movimenta-lo dentro de mim. Logo apás ela me olhou e disse que era minha hora. Colocou um preservativo no consolo, lubrificou bem e também meu anus, ergueu minhas pernas e colocou sobre seus ombros. Mandou eu me acalmar e relaxar, ainda mais porque eu estava me comportando bem melhor como mulher do que como homem, que a coisa estava rolando, tinha dado química. Olhando para ela naquela posição, ela encostou a cabeça em mim e foi forçando para dentro. Ardia, doía, mas ela não parava, mesmo eu pedindo. Escorria lágrimas de meus olhos, mas ela me olhava e dizia que tinha nascido para levar pau, e que iria terminar o que tinha começado. Continuou até que ele todo se alojou dentro de meu corpo. Parecia que eu ia rachar em dois. Ela me sorri e falou que tinha entrado tudo, que agora era para mim começar a curtir o que vinha pela frente, pois o maior tesão de todos estava por vir, que era gozar sendo comido. E começou a sair e entrar lentamente. Fui absorvendo aquele intruso a cada momento de entrada e saída e fui me soltando. Ela dizia que eu era linda, que estava sendo uma boa menina, e isso foi me deixando mais calmo e relaxado, a ponto dela começar a aumentar o ritmo das estocas em mim. Sem perceber, uma onda de calor tomo conta de mim, uma euforia deliciosa e eu já não sentia desconforto ou dor com ele dentro de mim, pelo contrário, estava admirado de estar me deliciando com aquilo, aponto de pedir para ela continuar a me comer, pedindo para ela ir com mais força. Ela obedecia meus comandos e dizia que eu era a menininha dela, o viadinho dela, enquanto quase me virava no avesso. Senti então uma onda fortíssima de calor, meu corpo tremeu todo, parecia que iria ter uma ataque, minha vista escureceu, e sem saber direito o que estava acontecendo, gozei, anunciando a ela com o esperma saindo de meu pênis minúsculo e mole. Ela vendo o acontecido, tratou de enfiar até o talo o consolo em mim, e assim ficou até meu prazer terminar. Quando finalmente consegui me recompor e abrir os olhos, ela me olhava e disse que tinha mesmo nascido para ser menina, que naquele momento metade do meu caminho estava realizado, e que aoutra seria quando eu sentisse um macho de verdade em mim.

Ainda atônito sabia que realmente era isso que a vida tinha reservado para mim, pois tinha sido muito bom. Ela então tirou de dentro e fomos nos lavar. Ainda dolorido, mas feliz pelo prazer que ela me proporcionou, disse que como seria de agora em diante.

Ela me disse que eu deveria sair com um homem, de verdade, um hetero e ver o que eu sentia. Daí, resolveria se iria ser gay, travesti, transex, o que desejasse, pois isso seria o caminho da minha felicidade. Quando saí de sua casa, ela me deu um dildo e disse que era para eu me satisfazer quando estivesse sozinho.

Bem, apás essa experiência incrível meus sentimentos com meu vizinho tinham se tornado totalmente reais, não tinha mais dúvidas que eu queria ele, mas como falar?

Eu já tinha amizade com ele, e aproveitei e fui tornando ela mais práxima. Com o decorrer de três meses, falando com minha amiga, disse que não aguentava mais ficar do lado dele e não poder falar o que eu realmente queria. Ela então me propôs que eu convidasse ele para uma festa na casa dela, e lá ela ajudaria eu me abrir com ele.

Fiz conforme o combinado e ele aceitou na boa. Avisei ela que ele tinha aceitado, e ela então me mandou ir a sua casa no dia da festa pela manhã. Perguntei porque, e ela me disse que era para eu ajudar ela nos preparativos. Cheguei lá no dia marcado oito da manhã e ela me mandou tomar banho. Estranhei, mas ela me disse que já tinha conversado com ele, disse o que eu queria dele e que el tinha aceitado conversar comigo. Fiquei apavorado, mas ela disse que queria garantir a coisa. Caso ele chegasse e me visse com roupas de homem, eu corria o risco dele apenas conversar e ir embora, mas se ele chegasse me visse feminina, com certeza, minhas chances aumentariam muito. Feminina como, eu disse. Ela me colocou na frente do espelho e disse: - olha esses olhos caídos, essa boca carnuda, rosada, essa pela branca, esse jeito delicado. Sá falta um trato, você vai ficar uma menina linda. Pois bem, tomei um banho e ela logo apás me depilou todo com cera, apesar de poucos pêlos, doeu bastante. Fiquei totalmente liso. Tomei outro banho e passei creme hidratante. Ela me deu uma calcinha, um shortinho de malha, uma camisete e uma sandália de salto. Calçávamos igual, visto que por eu ser baixinho, calçava trinta e sete. Coloquei meio sem jeito e confesso que gostei da sensação de estar lisinho e vestindo aquelas roupas. Ela então me mandou ficar andando em sua casa para acostumar a me equilibrar os saltos, para não fazer feio a noite. Fiz o recomendado e já na hora do almoço, ensaiava rebolar enquanto andava. Almoçamos, descansamos um pouco e ela disse que era hora de fazer as unhas. Tirou minhas cutículas das mãos e dos pés, pintou minhas unhas dos pés de branco. Nas mãos apás o trato, ela colou unhas de porcela brancas também, compridas, com as pontas retas. Estava me vendo ser transformado e estava gostando. Quando era umas quatro e meia e me avisou que estava na hora da maquiagem. Fomos até seu quarto e ela deu um jeito em meus cabelos, que já eram um pouco compridos. Fez um penteado, prendendo parte de lado e deixando o resto solto, que ficou bem legal e feminino. Começou então a maquiagem, colocou sobra azul claro, um batom rosa, e depois um gloss cintilante. Eu me olhava no espelho e não via mais o menino, apenas um garota de dezesseis anos. Ela disse que estava fazendo tudo em tons bem fracos pois eu teia de parecer uma adolescente e não uma mulher adulta. Me avisou para nem pensar em coçar os olhos, chorar, suar, nada, estava tudo proibido para não estragar a maquiagem. Colocou então cílios postiços não muito grandes, mas que deram vida aos olhos, deixando eles muito mais vivos e atraentes. Quando beirava seis da tarde, ela me mandou ir até seu quarto. Me colocou um corselet branco com alcinhas de cetim, brilhante, lindo. Me deu uma calcinha também branca fio dental e apás eu colocar ela fez questão de ajeitar bem meu pintinho para esconde-lo e puxou bem em meu rego para segura-lo no lugar que ele não deveria nem pensar em sair. Me colocou então eu vestidinho jeans agarradinho curto e um cinto largo branco também em minha cintura. Para terminar, me mandou calçar uma sandália branca de tirinhas modelo gladiadora, com salto meia pata dez. me olheava no espelho e não acreditava no que via. Ela disse que tinha certeza que eu virava menina nas mãos dela, pois meu biátipo mostrava que era diferenciado, que era feminino.

Pois bem, ao terminar minha metamorfose, ela correu para se arrumar e esperar meu vizinho chegar. Eu tinha duvidas se ele viria, tinha medo do que poderia aconstecer, de sua reação, tinha vergonha dele me ver vestido de menina, enfim, estava nervosíssimo.

Ela então ao voltar para a sala me mandou me acalmar, que tudo iria ficar bem, que ele parecia ser uma pessoa de cabeça aberta. Me falou que quando ele falasse meu nome, que eu gentilmente pedisse a ele que me chamasse de Verônica, ou, se ele preferisse, de Vê.

Pronto, ela tinha me dado um nome e eu nem sabia. Ela então começou a tirar fotos minhas, e disse que era para guardar, pois eu seria o Projeto Verônica, e ela queria ver como tudo começou e como eu estaria depois de alguns anos.

Logo apás, a campainha tocou, eu tremi e ela me disse para me comportar como uma menina, me sentir uma menina e usar o gênero sempre no feminino quando me referisse a mim. Foi então atender a porta e logo entrou com meu vizinho gato. Ele entrou, me viu sentada (daqui para frente vou fazer referencias a mim no feminino, pois já deixei de ser masculino), e deu um sorriso e cumprimentou. Me levantei e fui até perto dele, dizendo um oi, tudo bem? Bem tímido. Ele me olhou e perguntou a minha amiga se o Marquinhos já tinha chegado. Ela olho para mim e apenas indicou com os olhos. Ele ficou de boca aberta, e disse: - Marquinho, cara, é você? Eu olhei para ele e disse que o Marquinhos não existia mais, que eu preferia que ele me chamasse de Verônica, ou simplesmente de Vê. Ele voltou para perto de mim, me pegou pela mão e me beijou o rosto dizendo, oi, prazer Vê. Você é uma garota muito bonita. Miha amiga vendo clima formando, avisou que iria até a cozinha. Ele se sentou ao meu lado e ainda meio assustado com a cena, disse que não imaginava que eu estaria esperando por ele daquele jeito. Disse que olhava meio jeito sempre que conversávamos e que percebia algo de diferente, mas que nunca imaginou isso. Perguntei se estava chateado com a situação, e ele disse que não, que tinha me achado linda. Pedindo licença, colocou a mão em meu rosto e me deu um selinho na boca, dizendo que não acreditava que o garoto da frente da casa dele era uma linda garota. Não sei como arrumei forças para dizer, mas falei : - vamos esquecer esse garoto e nos concentrar nessa garota que está louca por você? Ele imediatamente percebeu a direta e me beijou a boca, colocando sua língua dentro, quase me sufocando. Vi então que ele estava sendo sincero, que estava mesmo a fim e que não tinha preconceito comigo. Começamos a nos beijar loucamente, eu via meu batom em sua boca, imagina eu borrada, e me dava mais tesão. Sua s mãos percorriam minhas coxas que eu já cruzava e facilitava seu caminho. Logo suas mãos apertavam minhas nádegas, eu já gemia e me entregava passivamente a ele, que por sua vez, em nenhum momento, fez menção de mexer em meu intrumentinho inútil. Beijando e sugando meu pescoço, minhas orelhas, me deixando louca em suas mãos, imaginando o que estava por vir, ele perguntou se poderíamos fazer ali mesmo. Levantei, peguei em sua mão e fomos até o quarto de minha amiga, que já tinha liberado para nás. Ele fechou a porta e perguntou se ele era o primeiro. Disse que sim, que seria o primeiro homem a tomar conta de meu corpo, a explorar meu corpo adentro. Continuamos os amassos em pé, até que me virei e pedi a ele para abrir o zíper do vestido. Ele abriu e fui tirando o vestido de costas para ele. Quando ele me viu de corselet falou que eu era um tesão. Me abraçou forte por trás e pude sentir seu membro másculo e viril me apertando as nádegas. Rebolando naquela maravilha, me virei e enquanto o beijava, fui abrindo sua calça, tirando sua camisa. Ele então terminou de se despir, ficando apenas de cueca. Queria ver aquilo finalmente, e retirei sua cueca. Saiu dali um membro lindo, duro, quente, que olhei com brilho nos olhos. Era pouco maior que o consolo que minha amiga tinha usado em mim, mas mesmo temerosa, sabia que com jeito acharia lugar para ele todo dentro de mim. Comecei a beija-lo devagar, ajoelhada em sua frente, mas ele foi para cama e deitou-se de barriga para cima. Comecei novamente a beija-lo. Tinha um gosto e cheiro incomuns, era o puro instinto de macho que exala dele. Totalmente sem jeito comecei a colocar na boca chupar, enquanto minhas mãos acariciavam suavemente seu escroto peludo. Meu macho começou a gemer, me fazendo crer que eu estava no caminho certo. Logo ele começou a suar, seu suor em seu peito forte cheirava deliciosamente à homem, e fui me excitando, logo estava alternando sugadas em seu membro viril com sugadas em suas bolas, enquanto o masturbava lentamente, com ele gemendo cada vez mais. Ele então me tirou de cima dele e me colocou a seu lado, me beijando a boca, o pescoço, as orelhas, me fazendo ficar toda solta para ele. Bolinava meu peitinhos, suas mãos corriam em minhas coxas e nádegas, me entreguei toda a ele, a ponto de em determinado momento implorar para ele. Disse: - por favor, me penetre, me faça ser sua mulher, não aguento mais esperar por esse momento. Ele sem pestanejar, colocou um preservativo, lubrificou seu membro, meu anel, e me colocou de quatro na cama. Senti ele chegando de joelhos, olhei para trás e vi ele me pegando pela cintura, e falando: - Vê, é agora. Pode? Eu respondi: - olha, estou vestida de mulher, maquiada, de salto alto, de quatro, me entregando toda. A menina aqui sou eu. Lágico que pode, deve, não pode. Ele então me apertou a cintura e foi forçando a entrada. Doía um pouco, mas eu já sabia o que iria acontecer, logo o desconforto passaria e daria lugar a uma imensidão de prazer. Sua cabeça pulou para dentro de mim, gemi concordando para ele não parar. Ele continuou sua caminhada ao meu interior. Lentamente foi me ocupando com seu membro, com sua carne dura e quente, e logo senti seu corpo encostar em minhas nádegas brancas, sabendo que ele tinha me ocupado por completa.

Meu homem, meu macho tinha me conquistado. Eu somente abaixei a cabeça no travesseiro, abrir bem minhas nádegas com as mãos, empinei bem a bunda e pedi para ele me foder com força, que eu queria sentir ele todo em mim. Ele começou a entrar e sair de mim até que devagar, mas eu pedia mais, o que fez com ele começasse a bombar com força, segurando firme em minha cintura e me fazendo sentir a plenitude de ser mulher. Eu não tinha tirado a calcinha para ele não ver meu inútil, então sentia ele entrando em mim com a calcinha de lado e forçando no rego. Ele perguntou se estava bom, respondi que estava de-li-ci-o-so!!! Ele então foi se deitando sobre minhas costas, até me abraçar e me virar de lado, ergui a perna para facilitar, me via de salto, com ele dentro de mim e me excitava cada vez mais. Ele foi ficando sobre mim, até eu ficar deitada e ele por cima. Colocou então minhas pernas para o alto, tudo sem tirar de dentro e olhando em meus olhos dizia que eu era uma delicia, onde eu dizia que queria mais homem, queria mais dele em mim. Ele bombando com rapidez e força em mim nessa posição, logo comecei a tremer e gozei deliciosamente. Ele continuou a me foder ferozmente, e pediu para eu sentar naquele mastro delicioso. Ele então se encostou na cabeceira da cama e eu de frente para ele fui agachando e deixando aquela maravilha escorregar para dentro de mim. Parecia que entrava mais desse jeito. Me olhava toda feminina, com ele dentro de mim e achava o máximo aquilo. Sentava com força e velocidade nele, até que apás um bom tempo ele me puxou ao seu encontro, atolando tudo e mais um pouco em mim, e senti ele pulsando dentro, ele tinha gozado. Deixei ele amolecer em meu interior e perguntei se ele tinha gostado. Ele não conseguia falar. Disse apenas que tinha sido a melhor transa de sua vida.

Saí de cima dele e disse que iria me lavar. Fui rebolando em direção à porta e fui ao banheiro. Lá minha amiga estava me esperando e perguntou: - E aí, como foi? Pelo barulho deve ter sido átimo. Escutei você pedindo por rola!!! Falei que tinha sido demais, mas para ela sair que logo ele estaria no banheiro. Ela disse se teria mais, e eu disse que por mim teria. Ela então me avisou que iria sair, para deixar-nos mais a vontade. Agradeci e logo apás voltei para o quarto. Ele apás se lavar, já no quarto também, disse: - Marquinho, quero dizer, Vê, sua bunda é demais, seu corpo é um tesão. Como nunca faliu nada antes? Falei que não sabia direito o que queria da vida, mas que apás ter certeza, senti que a hora de assumir e ser feliz. Ele perguntou se eu aguentaria outra. Eu falei que agora o problema era dele, eu era a menina da relação, ele estando de pé, eu sempre estaria pronta. Então ele pediu para eu repetir o boquete nele. Mal comecei e ele já estava novamente em ponto de bala. Gemendo, ele perguntava se eu queria ser namorada dele. Eu concordava com a cabeça e tentava desempenhar cada vez melhor meu serviço para garantir que eu teria ele por mais algumas vezes. Mais uma vez, ele se pôs pronto a me penetrar novamente. Ele então me pediu para ficar de pé, com as mão nos tornozelos. Fiz como ele pediu. Ele então foi se apoderando de minha cintura com suas mãos forte e de meu anel com seu membro delicioso. Eu estava de pernas abertas, tentando arrebitar a bunda, segurando no tornozelos, de salto alto. A única coisa que não me fazia cair era ele me segurando e sua pica dentro de mim. Que posição deliciosa, parece de entra tanto que bate no estomago. Nessa posição ele continuou me fodendo de forma rápida e vigorosa, e eu atingi um orgasmo delicioso.

Ele continuou a me pegar assim, eu pedia mais vara, sem vergonha nenhuma, ele respondia me socando com força e perguntando se estava bom. Eu dizia que sim, mas que queria mais. Ele me obedecendo, assumiu um ritmo louco, que foi me deixando maluca, eu apenas gemia alto daquele momento em diante, ele urrava e arfava atrás de mim. Foi quando ele anunciou que iria gozar. Senti que também estava perto, que iria gozar pela segunda vez, pedi para ele segurar um pouco seu gozo, para gozarmos juntos. Ele foi segurando e eu aceitando aquela sensação que se apoderava mais e mais de mim, até que falei para ele soltar. Ele socou até o fundo, senti ele pulsando dentro de mim, enquanto ele sentia minhas contrações anais apertando seu pênis. Ele foi me derrubando, até que fiquei de joelhos, com a cabeça no chão, e ele arqueado sobre mim, todo fincando em meu corpo, explorando e gozando junto comigo. Apás terminarmos, beijei-o deliciosamente e disse que sempre que quisesse estaria à disposição.

Ele então perguntou como eu voltaria para casa, como menina ou como menino. Infelizmente, respondi, iria como menino, mas sempre que ele me desejasse, ele teria a Verônica a seu dispor.

Assim, no outro sábado, minha amiga me ajudou na produção, mas já não iríamos usar sua casa para não perturba-la, iríamos a partir dali a motéis. Agradeço a ela até hoje pela ajuda de ter feito nascer em mim essa mulher que estava adormecida. Meu vizinho se tornou meu namorado, e nesse sábado que saímos pela segunda vez, ele me pegou novamente vigorosamente como toda mulher gosta de ser pega, com seu jeito forte de homem, e à partir dali, começamos a transar sem preservativo, eu tomava seu esperma másculo e cheiroso via oral e via anal.

Quando fiz dezoito anos, ou seja, dois anos apás nossa primeira transa, ele começou a me pedir para assumir em definitivo minha feminilidade e nosso namoro.

Mas essa fica para a práxima, de como tudo ocorreu, como ainda transamos deliciosamente, como enfrentei minha família e como assumi definitivamente a vida de Verônica.

Beijos.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos de coroa com novinhoContos eroticos esposa gosta de ve machos tocando punheta nos cinemacontos colocando menina pra. mamarcontos eroticos de menino inocente brincando de esconde esconde e sendo errabado de tras do sofapornoexcunhadacontos eroticos comi uma crentemulher casada vira p*** no baile do carnaval só transa com homem do p********* e grosso para vídeosconto o moleque me estrupoucontos eroticos arrombando a gordasogra puta dizendo que é dona da minha picacomo fui estuprada contos eróticosContos eroticos fudi o cu de uma defiente mentalTio corninho tapa contocontos eroticos arrombando a gordacontogayporno conto com sobrinhaconto caminhoneiro eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteo cu rosinha de minha neta de 9 aninhoscasa dos contos eroticos com caseiro depilando a patroa e as amigascontos eroticos paus gigantescomtos bdsmcontos eroticos arrombando a gordaContos eroticos crenteContos namorada e o pirocudocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos meu priminho gordinhomulheres aronbada decalcinha sujaenfia na minha bundinhaconto gay descabacei meu empregadocontos herotico mulher viajando sozinha em onibusporno brasileira tarada desvirginando o mulequeconto erotico gay chupando tio bebadocontos eroticos de transando com a cunhada casada e com seu marido bi sexualComtoerotico calcinha da filhinharelato erotico meu cachorro comia meu cuzinho quando meninaconto de dpContos sou alegria dos coroasconto erotico com padrastocontos eroticos eu minha esposa e os flanelinhas safadoscontos de novinha dando a bunda no escurocontos gay padrasto cuidou de mimcontos eriticos mulher casada em onibus lotadoConto erótico mendigo chupando grelohttp://porno contos sobrinhos divide a tia com os amigoscomendo o c* gostoso bronzeadinha e g************* de uma r*****quero ver o filme de pornô a mulher metendo o Cascão na gemendo gemendoconto erotico doce bruninha novinha no colomordeu o peito da mamãe e ficou de pau durominha novinha tarada contocontos eroticos dando pra o jumentorapaz chupa seios com gula pornodoidogordão rabão conto eroticoconto erotico as pregas da empregadamulher fazebdo conids dr shortinho e marido psu durocomi na frente da mulher contosfotos de ciroas da boseta aregalada e u cuminha tia no sofa de vestid de perna aberta pornoContos eroticos no conventoconto erótico esposa dopadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos eroticos escussao com meu marido banco diferentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentevomitando contos eróticoscontos eróticos de estupro no ginecologistacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos irmas gemeas e padastroconto erotico esvazieicomendo a mae da amiga policial contos eroticosContos eroticos comendo mãe e filhaconto flagrado com a calcinha enrolada no pau