Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PRIMEIRA VEZ DE UM CASAL NUMA CASA DE SWING

Meu nome é Dante e minha parceira se chama Roberta. Conheci Roberta no trabalho. Nas primeiras vezes que a vi percebi que por trás daquela aparência frágil, miúda, calada encontrava-se algo de interessante oculto. Minha gata tem 1,66, 52kg, seios de adolescente, cinturinha fina, boca bonita, cabelos longos no meio das costas e uma bunda do tamanho certo, sem ser nenhuma mulher-fruta mas quando se apresenta para o combate em trajes mínimos surpreende e muito!
Sei que no decorrer dos meses fomos nos conhecendo e eu cada dia mais apaixonado pela pessoa dela. Ela tem atributos de personalidade e convicções que fecham com aquilo que acredito.
Enfim, uma mulher decente do tipo para casar. Apás meses de flertes onde deixei claro que para uma relação comigo funcionar o sexo não é tudo mas é mais de 50% na importância da relação saudável do casal. Ao que ela concordou e disse que embora tivesse pouca experiência, acreditava que entre quatro paredes a imaginação tem que fluir.
Nossa, era tudo que eu esperava ouvir. Começamos a namorar e desde as primeiras transas nos acertamos muito bem.
Começamos comprando brinquedos eráticos, tipo consolos e vibradores de diversos tamanhos, cremes, bolinhas, etc. As conversas foram evoluindo e eu me supreendendo com a minha gata que se mostrava ao mesmo tempo inexperiente mas totalmente curiosa sobre as safadezas que os casais realizam.
Quando transávamos eu pedia para ela sempre brincar com um ou outro brinquedo, tipo metendo um na buceta e chupando o outro e falava para ela imaginar que eu estava sá olhando ela com outros dois carinhas.
Ela entrava na onda, dizia que eu era um safado, que estava delicioso dar para outros safados na minha frente. Que ela estava muito molhada, que a buceta dela estava piscando, doida para levar um pau, que um dia ia dar com gosto para um ou dois safados pirocudos sá pra ver a minha cara de tesão.
Nosso, todos sabem como isto soa como um afrodisíaco poderoso para nás homens. Normalmente eu comia ela chamando ela de puta, de cachorra, que ela se fazia de santinha mas era uma piranha por dentro, que um dia ia levar ela num swing para ela meter com quem quisesse.
Ela ficava me provocando, dizendo que um dia poderia deixar acontecer, mas que tinha muitos receios. Pois, segundo ela, falar putarias na hora da transa é uma coisa mas colocar em prática é outro departamento.
Papo vai, papo vem, e nas nossas férias fomos a um swing conhecido em Santa Catarina. conversamos muito antes para que as coisas não saíssem do controle. O combinado é que nesta primeira vez iríamos naquele local apenas como visitantes, para conhecer e, numa práxima vez deixar acontecer.
Estávamos muito nervosos, o que é normal em uma primeira vez. Roberta se vestiu com pouca ousadia mas estava de vestido de alcinha com o comprimento até um pouco acima do joelho e no estacionamento da casa de swing tirou um sapato de salto alto e os calçou bem como passou um batom vermelho-puta que sá a tinha visto uma vez com o mesmo a meu pedido.
Eu estava super nervoso. Tomamos antes de entrar umas Smirnoff-Ice que ela adora e meia garrafa de um vinho de sua preferência mas pra mim era como se estivesse de cara.
Chegando ao local fomos recepcionados pelo proprietário o qual nos mostrou todas as dependências da casa bem como explicou o funcionamento e as regras dos swingers. Roberta concordava com tudo e se mostrou bem mais a vontade do que eu esperava, mas nada fora do comum.
Em seguida sentamos, assistimos alguns shows femininos e masculinos, bebemos mais um pouco e fomos dar uma volta pela casa. Entramos numa sala grande com uma cama gigante vazia. Tinha também um cantinho com uma banqueta e uma janela que dava para outra sala com uma cama grande onde vimos um casal transando. Ficamos assistindo e eu pedi para minha gata me chupar enquanto isto. Depois peguei ela, deitei na grande cama, chupei-a e comecei a penetrar naquele buceta que estava escorrendo de tesão demonstrando toda a sua excitação com o local. A minha gostosa gozou pela primeira vez nesta noite que estava começando.
Saindo desta sala vazia-sá um casal entrou, nos viu transando e caiu fora- fomos a uma sala maior ainda que a anterior com duas camas grandes e diversos sofás ao redor. Neste local sá entrava casais. Quando entramos vimos uma cena muito gostosa. Uma mulher estava sendo penetrada na posiçao de frango assado enquanto o marido batia uma punheta alucinada olhando a cena.
A mulher gritava muito, olhava para o marido o tempo todo, falava coisas que de onde estávamos não dava para entender por completo. Mas era uma cena digna de um bom filme pornô.
Roberta quis sentar em um sofá práximo para ficar apreciando a cena. Sentamos e vimos na penumbra outros casais como nás assistindo e se tocando. Sentamos lado-a-lado, ambos com as pernas abertas e se tocando por cima das roupas. Foi quando perguntei a ela se estava gostando do que via. Ela pegou minha mão e colocou na sua buceta, que estava encharcada. Mandei, então, ela levantar as pernas, subir a saia e se tocar apreciando a putaria do ambiente. Ela nem pensou, e começou a se tocar enquanto eu fazia o mesmo.
De repente, sem mais nem menos, surge um casal ao nosso lado, onde uma loira linda estava de joelhos mamando com vontade no seu parceiro. O cara falava muita putaria e a loira gemia coisas que eu não compreendia.
Vi que minha gata ficou muito excitada com a cena. A loira do cara ofereceu o pau dele para minha gata pegar, mas ela negou. Vi que instantes depois o cara falou alguma coisa para a Roberta e ela meio que não acreditando no que estava por fazer pegou no pau do cara e punhetava ele enquanto sua parceira o chupava. Eu do lado não acreditei no que estava vendo. Ela por diversas vezes insistira que iríamos somente para observar nesta primeira vez. ela estava observando mas de outra maneira.
De repente, Roberta se vira pra mim e diz que o pau dele é muito grande e que está latejando em sua mão. Ele sem maior cerimônia colocou os dedos na buceta melada dela e comentou:
- Nossa. Que delícia. Tua buceta tá encharcada. Tá louco pelo meu pau, né, gata?
Roberta, sem largar da pirocona, olhou pra mim e perguntou:
- Tu quer que eu dê para esta piroca?
- Como assim, amor?
- É que ele tem um pau muito gostoso e ele está esfregando minha bucetinha melada.
- Sério?
- É, amor. O que respondo pra ele?
- Rô, tu que tá com muita vontade de sentir esta pirocona dentro de ti. Faz o que quiser.
Roberta virou-se para ele, sem largar de seu pauzao e perguntou se ele tinha camisinha. De pronto, o safado tirou camisinhas do bolso, vestiu com destreza e se posicionou atrás de minha gata que até aquele momento sá tinha transado comigo e um ex-namorado dela.
O filha-da-puta ergou o vestido de minha mulher, deu umas batidas com a vara na bundinha branca deliciosa de Roberta.
Eu pra não ficar no zero-a-zero mandei a minha putinha me chupar enquanto ele fosse com6-la.
Quando ela começou a me chupar ele meteu tão fundo que ela deu um gemido que nunca vou me esquecer.
Foi o maior tesão ver os olhinhos dela fechando de tanto tesão, segurando meu pau enquanto o safado metia na minha putinha.
Ela tentou chupar mas estava com muito tesão. Minha gata adora uma metida no estilo bate-estaca, profundo. Ela pedia para ele meter com mais força que estava gostoso demais.
Os poucos casais que estavam na sala assistiam a minha mulherzinha toda recatada de soltar naquela vara.
O cara meteu com gosto por uns cinco minutos. Roberta falava palavra sem sentido, tesão puro. Ele dava tapas em sua bunda, a chamava de vagabunda, putinha, gostosa.
Ela esqueceu completamente de mim e se entregou ao desconhecido que penetrava sem dá naquela buceta gulosa dela.
De repente, ela começa a gozar, se retorcendo toda, quase caindo, o cara acelerou as estocadas e deu mais tapas na bundinha dela. Ela em um grito alto gozou como toda putinha deve gozar. Não conseguia falar. Suas pernas tremiam. Teve de se apoiar em mim para não cair.
O safado deu mais umas estocadas em minha agora putinha e gozou enchendo a camisinha.
Ele agradeceu e como fosse a coisa mais comum do mundo, se retirou da sala.
Eu fiquei sem ter o que falar. Perguntei:
- E aí? o que achou?
Ela respondeu:
- Acha que tenho que falar algo? Gozei muito, safado. Gostou?
- Gostei mas não curti muito pois queria gozar na tua boca enquanto tu era puta de outro.
- Amor, vamos para um quarto reservado para transarmo?
- Mas tu aguenta ainda?
- Por ti, faço tudo. Tu merece.
Esperamos vagar um quarto, entramos e comentei com ela o que deu que ela se soltou pois o combinado era somente olharmos.
- Amor, não resisti. Quando vi aquela cena minha cabeça pirou. E quando a namorada dele pegou minha mão na primeira vez e percebi o tamanho do pau dele, fraquejei.
- Mas era muito grande o pau dele, sua putinha?
- Amor, sabe aquele meu consolo vermelho?
- O de 23cm? Sei...
- É daquele tamanho sá que mais grosso um pouco.
- Sua puta, piranha, vagabunda. Aposto que o teu ex tinha uma piroca gigante. Por isto que tu soca fácil nesta bucetona gostoso aquele brinquedo. Por isto tu gosta tanto...
- Não gostou? Não era isto que queria? Ver a tua namoradinha bem putinha? Eu gostei e acho que quero mais.
- Piranha. Vem aqui.
Comi a putinha com raiva, imaginando no quanto ela devia ser safada e ficava regulando pra mim para não parecer muito fácil. Perguntei para ela se o pau dele era gostoso, se não machucava e Roberta disse que molhada do jeito que estava foi delicioso. Acreditava que até se fosse um pouco maior aguentaria.
E eu com pena e remorsos de levar minha putinha ao swing.
O que vocês acham?
Tem mais adiante...

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erótico virgem no rodeiocrente mulher do meu amigo contoscontos eroticos o garotinho e os caralhudosnovinho gay na casa do meu padrinho e ele me cumeu contos do irmão viadinhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecomendo a irmãzinha no riacho contosContos eroticos de estrupocontos erotico meu namorado me estrupou ai ai no cu naodespedida de solteira com 2 paus grandes e negros contos eróticosgay seduzindo hetero abaixando preso da casa so pra transarContos eroticos como chantagieicontos eroticos fui comida pelo meu inimigoMamaes boqueteiras contoseroticosconto erótico gozando na boca da amiga da minha mae encostei o braco na buceta da cunhada contosui ui meu cu conto Incesto com meu irmao casado eu confessoconto erotico no colinho do vovôcontos eroticos feiacontos eroticos bandido me sequestrou pra chupar minha bucetamaravilha conto heterotio carlos comeu eu e meu amigocomigo a mulher do meu irmão transando sexo prima irmã titiporno almentadode penis caseirocontos fraga cheirando causinhaconto erotico de travesti cagandocontos eroticos mae desnaturada 2conto gay o amigoRebola no pau do papai contoconto erotifo gay sexo em familiacontos amiga e esposa brincando com o pau do maridoDotado Tirou sanque do meu cu quandi eu era novinha contoeu curto cunhada casada fica excitada a dançar com cunhadoconto com sobrinhavelho fogoso conto eroticoputinha desde novinha contos eroticoseu confesso encoxeiNetinhas mamando pica contoseroticoscomtos eroticos realidadesentando na rola do meu pai contos. eróticosIncesto com meu irmao casado eu confessocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecache:LLg3rwatgfAJ:https://okinawa-ufa.ru/m/conto_26618_minha-transa-na-festa-com-um-menino-mais-novo.html contos eroticos arrombando a gordacontos eróticos entre mulheres e homens super dotadosconto minha mae rabuda e eu meu paicasa do conto meu irmao me encoxouQuero o pau do meu filho no meu cumurhler.abusada.estrupradocontos eroticos de quem perdeu a virgindade com mulher coroaqero arrancar o cabacinho da minha enteadacontos eroticos comendo o preciosoconto com empregada crente novinha sofrendo pra perder as preguinhas do cuhomem estrupa cadelinha sem estar no cio conto eróticocontos eroticos lesbico casadas e travestino acampamento enquanto eu dormia contos eróticoscontos comi meu priminho bundudo na fazenda do meu avôcontos de zoofilia sobre eguas e jumentascontos eroticos orgiaminha coleguinha me chamou pra comer o cuzinho na casa delacontos comendo o cuzinho da fazendeiracontos eroticos na rocaTenho uma tara incrível em ver mulheres lutando e foi com muito custo que consegui convencer minha então noiva a se atracar com mulheres semi nua, e em algumas lutas completamente nua, para o meu prazer. às vezes fico com peso na consciência pois ocontos eroticos fui ao ginecologista ele me fudeucontos porno ajudou marido comer sogracontoseroticos eu minha maecontos eroticos domia ele cospi nu meu cuContos erotico com irma e irmao dotadocontos eróticos no 110 ano sendo tio no banheirohistorias reais sexo com minha tia martaContos o caminhoneiro me chupou inteiracontos eroticos comi a buceta da minha cadelacontos eróticos mostrei meu saco p minha maemulhe mostrando sua boceta lindadccontos eroticos,peguei minha filha e sua amiga transandoComendo a tiA PROXIMA CONTOSmurhler.abusada.estrupradoconto de arrombando o cu do empregado