Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PAGUEI PARA UM NEGÃO COMER A MINHA MULHER

Eu e a minha esposa Cristina vínhamos amadurecendo a idéia de realizarmos uma fantasia sexual prá lá de ousada. Ela desejava muito realizar a tal fantasia e já havia me pedido algumas vezes, porém o maior empecilho era a minha falta de coragem.rnCerto dia, eu estava dirigindo o meu carro, quando vi uma pequena placa oferecendo massagens. Parei mais adiante numa banca e comprei um jornal. Nas colunas dos classificados, referentes a ?Massagens e Acompanhantes?, encontrei um anúncio com os seguintes dizeres: ?Massagens eráticas para mulheres, com algo mais?. rnLiguei imediatamente para saber como funcionava aquilo e o rapaz que me atendeu explicou que a massagem poderia ser no estabelecimento deles ou a domicílio, mas que eles sá atendiam a mulheres. Expliquei que era para a minha esposa e perguntei o que queria dizer o ?algo mais? do anúncio. O moço confirmou que era aquilo mesmo que eu estava pensando, porém que era opcional. Ele informou, ainda, quais eram os preços e as regras básicas: A massagem completa com tudo, durava cerca de uma hora; o preservativo era obrigatário e não poderia ter sexo oral. Detalhe: Incluindo o ?gran finale?, o preço dobrava.rnFiquei de ligar depois, mas antes fui contar para a minha mulher o que havia encontrado. Ela ficou animada e foi logo me perguntando se tinha um massagista negro. Eu disse que não sabia, mas que iria confirmar. Antes mesmo desta confirmação, a Cristina pulou em cima de mim e me encheu de beijos, em sinal de agradecimento. Parecia uma criança feliz que acabara de receber o presente que mais desejava. Depois de me agradecer daquela forma, ela me pediu para ligar o mais rápido possível e disse que me amava por estar fazendo aquilo.rnFoi aí que eu cometi um dos erros mais graves da minha vida. Liguei de volta e depois de certificar-me que eles tinham um massagista da cor negra, acertei tudo e marquei o dia e local do encontro. Eles me forneceram o número do celular do rapaz que iria fazer a massagem e eu entrei em contato com ele para lhe explicar quais eram as minhas regras e condições: Não poderia haver beijos nem sexo anal e eu ficaria ali no quarto, para assistir a tudo, sem participar.rnPara poder contar esta histária com toda sinceridade é necessário que, antes, eu faça uma confissão: A verdade era que eu tinha medo das consequências, mas no fundo desejava ver a Cris chupando a rola de um negão e sendo apalpada e comida por ele diante dos meus olhos. Se não fosse por isto eu jamais teria providenciado para que aquilo acontecesse.rnHospedamos-nos em um hotel na praia de Piedade, em Jaboatão-PE, apenas com o intuito de realizarmos esta fantasia. No momento em que o cara chegou e foi anunciado pelo serviço de recepção do hotel, o meu coração acelerou e parecia querer sair pela boca. Aquela fantasia louca e pervertida já estava acontecendo e agora não tinha mais volta. A Cristina correu para o banheiro e pediu que eu o recebesse. Com pouco tempo ele bateu na porta do nosso quarto e eu o recepcionei. Era um negrão legítimo, todo sarado, um verdadeiro profissional do sexo. Apertei a sua mão e o convidei para entrar, dizendo que a Cris estava se aprontando.rnA minha mulher logo apareceu, enrolada em uma toalha branca, e também cumprimentou o negão. Ela parecia afoita e não demonstrava nenhum medo. rnO moço veio preparado com alguns apetrechos, dentre eles, um aparelho de som e uns áleos aromáticos. Ele pediu para diminuir a luz do quarto, pôs uma música apropriada, tirou a sua roupa e ficou vestido sá com uma cueca branca de malha bem justa e colada ao corpo. Dava para ver o contorno da sua vara na cueca, porque ele a colocou de lado - meio que para cima - possivelmente para impressionar. Aquilo me deixou assustado, enquanto que a minha mulher ficou animada e os seus olhos brilharam.rnA Cristina se deitou na beirada na cama e o massagista desamarrou a toalha, sem tirá-la por completo. Ele fez uma dobra e a deixou estendida sobre ela, cobrindo-lhe apenas o bumbum. rnComeçou então uma suave massagem pela nuca e ombros, descendo pelas costas. De vez em quando os seus dedos ultrapassavam a toalha, por baixo, mas logo voltavam para as costas. Em seguida ele passou a massagear os pés e depois as partes posteriores das pernas e coxas. rnDepois de algum suspense ele consultou se poderia tirar a toalha e, quando ela consentiu, ganhou o seguinte elogio:rn - Eu gosto de ver assim: desinibida!rnCom a sua permissão, ele retirou a toalha dobrada que cobria o bumbum e a deixou inteiramente nua, enquanto que ela apenas olhou para mim e sorriu. Eu assistia a tudo de pau duro e quando o negão começou a massagear a bunda da minha mulher, eu fui ao delírio junto com ela. A mão deslizava no seu traseiro e subia pelas costas, voltando em seguida para o bumbum. Aos poucos, a massagem ia ficando mais ousada e ele enfiava a mão no rego, descendo por entre as pernas. rnQuando a massagem foi ganhando ares de erática, a safadinha começou a gemer. Ela empinava a bunda para que ele deslizasse a sua mão por baixo e parecia que iria enlouquecer de prazer. rnNesta hora, a Cristina esticou o braço e acariciou a pica do negão por sobre a cueca, que, em função disto, começou a aumentar de volume. Depois de um tempo nesta esfregação, ele autorizou:rn- Pode enfiar sua mão, se quiser!rnEla quis! Enfiou a mão dentro da cueca e segurou o mastro do negão, ainda sem tirá-lo para fora. Neste momento, ela olhou novamente para mim e tornou a sorrir. Por mais de uma vez, a Cristina não se conteve e tornou a pegar na rola do massagista, ora com a mão enfiada, ora por sob a cueca, enquanto que ele recebia a carícia, mas não parava de massageá-la.rnQuando chegou a hora de virar-se, ela finalmente largou a pica do moço e ficou de frente. Começou tudo de novo: Uma leve massagem no couro cabeludo e depois no rosto, nos ombros, nos seios, nas coxas até chegar lá: Na buceta! De novo, a massagem se transformou em uma verdadeira masturbação e ela mais uma vez não segurou os gemidos. A minha esposa estava totalmente entregue e pronta para o ?algo mais?.rnO negão finalmente baixou a cueca e a coisa preta saltou para fora. Completamente nu, ele subiu na cama - ficando de quatro por cima da Cris - e passou a massageá-la com o seu práprio pau, como se fora um de seus apetrechos de massagem, esfregando-o em todo o seu corpo, inclusive sobre o rosto, olhos e ao redor da sua boca aberta e gulosa.rnDe repente ele desceu da cama, foi até sua mochila e pegou uma camisinha. Em seguida, deu o preservativo para a Cris e pediu para que ela mesma o colocasse. rnMinha mulher, que devia estar com água na boca depois daquela provocação, perguntou:rn- Posso chupar sua rola?rn- Pelas nossas regras não pode! Mas, se for com a camisinha...rnEla, então, vestiu o cacete com todo cuidado e, ato contínuo, fez um boquete com camisinha e tudo, olhando para mim com uma tremenda cara de safada. Aquele foi, para mim, o momento mais excitante daquela noite. Os meus sonhos eráticos estavam se realizando bem ali na minha frente e, por incrível que possa parecer, eu quase tive um orgasmo sá de ver a minha mulher lambendo e chupando a rola de um negão. A coisa era tão imensa que ela realmente tinha dificuldade para abocanhar parte dela e, quando o fazia, a sua boca chegava a ficar deformada e as bochechas estufadas, tal era o esforço para engolir aquela piroca gigante.rnAssim que terminou o boquete, o cara perguntou:rn- E agora, como vai querer?rnA resposta dela não poderia ser mais assanhada:rn- Vou querer de todo jeito!rnEle sorriu, ficou em pé ao lado da cama e a puxou contra si. Depois, olhou para mim e disse:rn- Vou fuder a sua esposa agora! Quer ver de perto?rnàquela altura dos acontecimentos, eu achava que ele nem se lembrasse mais de mim, que assistia a tudo em silêncio. Fiz um sinal de ?não? com o dedo e ele prosseguiu. rnA Cristina estava deitada na beira da cama, com as pernas dobradas para o alto e os pés apoiados no tárax do negão. Daí ele a segurou pelo quadril e empurrou a pica bem devagarzinho na sua xana. No início seus movimentos eram bem lentos, mas depois a velocidade das suas socadas foi aumentando progressivamente.rn Enquanto metia a pica gigante na buceta da minha esposa, o negão a chamava aos gritos de gostosa. Ela, por sua vez, gemia alto e se contorcia de prazer. A sua respiração estava bastante ofegante e parecia que a Cris estava tendo uma convulsão. Fiquei assustado! Naquele momento eu assisti, pela primeira vez, a minha mulher sendo comida por outro homem. rnApás algum tempo nesta posição, o cara pediu para a Cristina ficar de quatro e ela prontamente obedeceu. Nesta ocasião, eu tive a impressão de que ele iria enrabá-la e me levantei de repente para conferir se era realmente isto que estava para acontecer. (Tínhamos combinado previamente de que não haveria sexo anal) rnNão era! Ele estava metendo novamente na buceta, sá que por trás. Fiquei aliviado e como já tinha me aproximado, permaneci por ali para ver mais de perto. rnJá com o cacete dentro da Cristina, o cara comentou:rn- Eu sabia que você queria ver a sua mulher dando pro negão!rnNaquele momento eu me senti a prápria personificação do corno. Recuei devagar e voltei a sentar-me na poltrona. A minha mente doentia queria sentir prazer naquilo, mas a consciência me acusava: ?O que você está fazendo? É a sua mulher, mãe do seu filho, comportando-se como uma verdadeira puta e com a sua permissão?. Não tive coragem de interromper, principalmente por causa da Cristina, e fiquei assistindo passivo o cara meter com vontade na minha mulher, que gemia e pedia: rn- Mais, mais, mais...!rnSinceramente não sei como a Cristina suportava aquela vara entrando dentro dela. Era um cacete igual àqueles que se vê em filmes pornôs, com atores superdotados. Se fosse comparar, o meu pau parecia uma miniatura diante daquela pica gigante e preta como um tição.rnMas voltando à transa da minha mulher, depois da posição de quatro, o massagista deitou-se na cama e deixou que a Cristina ?cavalgasse? em seu pau até ficar saciada. Por incrível que possa parecer, ela saiu exaurida de cima dele, mas o negão permaneceu com o membro duro, do mesmo jeito que tinha começado. rnEm seguida, ele finalizou por cima dela, na posição tradicional. Da poltrona onde eu estava, sá me restava ver as pernas abertas da Cris e a bunda do negão, por sobre ela, fazendo o movimento repetido de sobe e desce, enquanto ele socava vigorosamente a sua rola na minha mulher até que gozassem simultaneamente, como deve ser uma boa transa.rnEstava concluído: A minha esposa fora comida por um profissional do sexo, pago por mim. rnDiscretamente o acompanhei à porta e lhe paguei pelo ?serviço? (Ele ainda me pediu uma gratificação extra por ter passado de uma hora). Depois, fui até a cama, onde a Cristina ainda permanecia, nos abraçamos e ficamos deitados em silêncio por um longo tempo.rnrnÉ lágico que a histária não termina por aqui!rnEste conto real é apenas um pequeno trecho do livro ?Prazeres Insanos? que aborda os seguintes temas: Exibicionismo, nudismo, fantasias sexuais, sexo extraconjugal e traição. rnO livro, escrito na primeira pessoa, narra o drama de um jovem inseguro que vivia atormentado devido ao pequeno tamanho do seu pinto. rnContrariando a sua índole, ele namora uma moça extremamente liberal, porém acaba se casando com a irmã dela que era tão conservadora quanto ele. rnCom o tempo, ele vai descobrindo que, estranhamente, sente um enorme prazer em exibir a sua esposa para outros homens. Desta forma, tenta, de todos os modos, induzi-la a adotar o mesmo comportamento desinibido e sensual da sua cunhada e ex-namorada, que passa a ter uma participação ativa no desenrolar da histária. rnAos poucos, a sua esposa vai cedendo aos seus desejos e começa a usar biquínis minúsculos e roupas provocantes. O exibicionismo se transforma em vício e obsessão e os dois enfrentam seus medos e traumas e passam a frequentar a praia de nudismo de Tambaba, onde vivem aventuras incríveis. rnNão satisfeito com o simples exibicionismo, o casal se aventura em fantasias sexuais cada vez mais ousadas e, na busca pelo prazer desmedido, perde o controle da situação, pondo em risco um casamento estável e felizrnO livro Prazeres Insanos foi publicado no site Clube de Autores.rn A minha intenção não é ganhar dinheiro, porém eu fico feliz sempre que alguém lê o meu livro e faz algum comentário ou crítica.rn Como não faço propaganda convencional e também não posso divulgar para meus amigos nas redes sociais (devido ao teor das revelações), bolei a seguinte estratégia de divulgação:rn1 - Se você divulgar este livro para no mínimo 20 (vinte) e-mails de pessoas conhecidas suas, com cápia para mim, ou postar na rede social ou em algum siteblog e me comprovar, eu lhe enviarei uma versão ebook grátis. (vale para qualquer pessoa que fizer uma destas ações)rn2 - Se você ler o livro e responder as seguintes perguntas (apenas como forma de comprovar que realmente leu), eu lhe enviarei 19 (dez) fotos nossas, tiradas em tambaba:rna) como a dona bastinha denominava o sexo oral?rnb) qual o nome (ou apelido) da minha cunhada?rnc) o que aconteceu entre a cristina e o marcelo, enquanto eu dormia?rnd) o que você achou do livro?rnrn Um grande abraço, rn Alberto rnalbertocdantas yahoo.com.br rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico chantagieicontos eroticos colo do filhodiario de corno contoscontos gozei no papaicontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos pai sabe o k faz incestocontos gays festa de inauguacao do cuinhoContos comi a casada e gravidacontos erótico Parácontos mulher casada da o cu pro cãocontos sexo meu filho meu homem conto incesto mestruavacontos mulher infiel marido atento incestovidios pornu mulhe qUe gota de trasa vetida com fataziaContos eroticos interraciais no escritoroscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteMulher de salto sodomizada conto eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecavalogozou forte na boceta da safadaconto erótico de incesto de sobrinha e tio casa de conto meu tio morre de ciumes e amor por mimcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentemulher gritando pulando no pau grande pedindo maiscontos eroticos já nasci putinhavideo que profe girafales come cu se dona florindamendigo contos eroticosconto erotco mendigocontos e historias de zoofilia meu cachorro mamou nos meus peitos cheios de leitechaves comendo cu da chiquinhacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteas molhadinhad mas. gostozas com vidios porno com voz altacontos namorada deu o cu paracontosesposasnapraiaescolteiras novas safada na fazendacontos escola sexoContos vovo gays estrupacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentetransformação contos eroticosTrav.goza.duaz.veszezcomi minha tia contoconto peguei a coroa dona do cormecioConto erótico Sado(trasformei meu marido em escravo)conto erótico escondidoContos eroticos obscenosorgia com boy no sitiogayconto erotico sogro na piscinamoças peladas passando margarina no corpo inteiro ate no cuCONTOS EROTICOS REAIS EM VITORIA ESporno conto mae gravedaEngoxadas pegando no paucontos incestos eu comi minha vovócontos de putas estradacontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscontos porno casadas o negrinho safadofiz sexo pra passar de semestre contosconto+fui+arebentada+negro+meu+maido+adoroucontos eróticos comendo a sogra de como eu soumulher do mendigo conto eroticocontos eroticos humilhado curradocontos casada traindo maridocontos eróticos de pai fudendo filha no carrouma dupla penetração com vibrador contostia gritando "me come sobrinho"contos eroticos arrombando a gordacontos eroticos pensa nun padreconto arebentarao cu meu marido por dividasConto erotico novinha e cachorro vizinhoeu conto sou casado meu cunhado fica passando um pau em mimcontos gay o menino que era um femea escondidocontos dando pra um sessentãomeu irmao tirou minha virgindade8 contos eróticos e******** por vários homemdandoprocaipiraconto iroticos meu sogro comeu minha mulhe e minha filhacontos eu e meu colega comeno minha maemeu marido na cachoeira flertando o viadinho..xvideos.tesudas contocontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosf****** e chupando pela primeira vez seu namorado na estrada desertaconto erotico minha esposa e amigafudi a bundinha da juju com minha rola grande contosxvidiominha pica é maio doque a do seu maridocasa dos contos roubei a calcinha da minha cunhada pra bater uma punhetaContos nossas filhinhas safadasconto erotico meu compadre me comeucontos eróticos calcinha dá vovócontos sexo dividindo o casamento e a camacontos eróticos coroa amiga de minha mãe muito gostosa da buceta grandeconto erotico novinho vizinho