Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A FILHA DO PASTOR TRAI O MARIDINHO COM...

Conheci a Ester, minha esposa, na igreja. Ela era filha mais nova do pastor.rnPastor Carlos era um homem muito querido em nossa comunidade. Ele era um senhor com seus 45 anos, viúvo, cabelos já grisalhos, alto e parrudo, um corpo bastante conservado, apesar do leve sobre-peso. Dizia ele que depois que a esposa morreu se dedicara exclusivamente à igreja e a seus 2 filhos, tornando-se assim pastor evangélico. Com isso acabou por converter toda a família para a fé, incluindo Paulo e sua família (tio de Ester e irmão de Carlos) e seu José (avá paterno de Ester).rnPastor Carlos era muito convincente em suas palavras e conseguia manipular sempre a situação de forma a conduzir as coisas como desejava, habilidade essa muito útil na conversão de fiéis. Foi assim q fui conquistado e comecei a participar de sua igreja.rnO pastor tinha essa filha, lindíssima (17 aninhos, pele alva, olhos de um castanho mel, cabelos loiro escuros, compridos e bem cuidados, jeito recatado, porém provocativo sob as roupas q pouco deixavam a mostra, mas marcavam bem suas curvas sinuosas no corpo esguio), a quem ele queria casar cedo para que ela não corresse o risco de se deixar levar pelos hormônios antes de casar. Como eu era bem apessoado (não sou nenhum galã, mas sou bonito de rosto, corpo em forma e bom dote hehe... uns 19cm, grossinho), tinha um emprego fixo, que me rendia um salário razoável e boas chances de crescer profissionalmente, e nutria uma forte atração por sua filha, pastor Carlos achou oportuno unir o casal. Depois da interferência do pastor, não demorou muito pra que nos casássemos. Em 3 meses estávamos debaixo do mesmo teto sob as bênção de Deus.rnNossas primeiras transas foram pseudo maravilhosas. Ester era uma mulher simplesmente deslumbrante. Sentia nela um tesão que jamais sentira por outra mulher. Toda cheirosa e delicada, se dava o trabalho de sempre se manter TODA depilada (ela dizia que era por uma questão de higiene... tinha nojo de se sentir peluda). Contudo, ela era meio fria na cama... nunca consegui fazer com que ela se soltasse totalmente; sempre pudica, sem muita participação nas transas.rnQuando sugeri a ela sexo oral então, ficou em greve de sexo por duas semanas.rnMesmo apás o casamento, Ester continuava a ajudar ativamente o pai na igreja, bem como seu irmão mais velho, Davi, que estudava para ser pastor também (Davi era um homem de porte físico avantajado como o pai; era musculoso por conta da prática de esporte, desde jovem). Ía todos os dias, sempre ajudando na coordenação de alguma coisa na igreja, como os ensaios dos músicos, ou algo mais administrativo.rnO tempo passou e me acostumei as nossas transas mornas, mesmo porque amava muito a minha esposinha. Foi quando ganhei uma promoção no emprego que exigia que eu viajasse para visitar clientes de longe. Minha esposa ficou super contente com a novidade, o que de certa forma estranhei, pois passaria menos tempo com ela.rnNuma dessas viagens consegui me liberar mais cedo e resolvi fazer uma surpresa... Assim que ela chegasse da igreja me encontraria ali, com vinho e um buquê de flores que comprei. Entrei em casa como de costume, mas sem fazer estardalhaço e fiquei feliz por não ter feito barulho, pois ouvia sons vindos do quarto. Era ela... devia ter voltado mais cedo da igreja. Fui pé ante pé para fazer-lhe a surpresa, porém a surpresa foi toda minha. rnChegando mais perto ouvi uns sons de gemidos... fiquei observando pela fresta da porta entre-aberta e não acreditei no que vi... Pastor Carlos estava carcando na minha esposinha de 4. O coroa mandava ver na bucetinha da minha esposa. Dava estocadas fortes e lentas, acelerava, depois tirava tudo e enterrava tudo de uma vez até o talo novamente. Aquela pica era ainda maior que a minha, não muito em comprimento, mais na grossura. Tinha uns 22cm fácil e grosso feito uma latinha de refri. Fiquei tão chocado que não tive reação senão ficar paralisado assistindo aquilo tudo. Minha esposinha safada pedia pro pai dela meter mais fundo, que o corninho (eu) nunca iria meter assim gostoso nela. Nisso ela se contorce toda pra que pastor lhe desse um beijo cheio de saliva.rnFiquei parado olhando aquilo e me vi ficando excitado com a cena. rnComo se já não bastasse o que estava acontecendo, ouço a porta do banheiro da nossa suíte abrir. Dele sai o Davi todo peladão e com a pica em riste, mandando a safada da irmã cair de boca. O pau de Davi era maior do que o do pai em comprimento, porém, menos grosso. Devia ter uns 25cm. Meu pau já estourava dentro das calças. Não resisti e tirei pra fora pra bater uma de leve.rnAquela vadia chupava o irmão com gula... dava pra ver que não faziam isso de hoje. Se bobear faziam muito antes do casamento.rn-- Nunca comi uma mulher tão gostosa quanto vc minha filha. Fiz bem em te tornar minha putinha depois que tua mãe se foi ? dizia Carlos.rnTrocaram de posição. Carlos passou a ser chupado por Ester e Davi foi pra trás daquelas lindas ancas. Foi quando fiquei ainda mais excitado com o que sucedeu. Davi disse:rn -- Se prepara pra ter esse rabão arregaçado. rnEle passou bastante lubrificante no cusinho dela e em sua prápria jeba e foi metendo. Minha esposinha nem ofereceu resistência... aquele monstro de carne foi deslizando pra dentro da bundinha dela como se fosse uma faca quente cravando a manteiga. Senti um misto de raiva e de inveja. Sempre quis ser chupado e também comer o cusinho da minha esposa. Entretanto, o tesão de assistir ela ser deflorada por aquela tora era maior e não consegui desgrudar os olhos. Entrar no quarto e impedir que aquilo tudo acontecesse seria torturante pra mim também. Queria mais do que tudo ver ela sendo estraçalhada por aquele mastro. rnDavi começou um vai e vem cadenciado no rabinho de Ester. Enquanto isso a putinha chupava com gosto o cacetão do pai. Metia na boca até onde conseguia e ainda sobrava pica. Dava pra ver os olhos dela brilhando, e gemia de prazer como nunca gemeu comigo.rnDepois de alguns minutos bombando com força cada vez maior no briocá da irmã, os 3 resolveram trocar mais uma vez de posição. Dessa vez o paizão lhe veio no cusinho. Carlos se deitou de costas da cama e ela foi sentando na verga do paizão. Impressionante, mas nem precisou de muito esforço pro trambolhão grosso entrar inteiro. Assim que sentou na base do pau ela soltou um gemido alto, como se estivesse sendo empalada... e estava. Depois, de costas pra ele, se inclinou de modo a deitar no seu tronco peludo. Nisso, seu irmão levanta as pernas dela e deixa a xaninha bem exposta pra receber a tora dele. E nisso os dois metem sem piedade no cusinho e na xaninha da minha esposa ao mesmo tempo.rnEla geme, se contorce e revira os olhos. Vai gozar como nunca consegui fazer ela gozar. Eles vão aumentando o ritmo cada vez mais de forma a se ouvir o som da batida entre os bagos dos dois entre si. Ester estava totalmente atolada com as duas varas.rnNão demorou mais muito e eles anunciaram o gozo. Ela já estava no terceiro orgasmo seguido, estendendo o prazer de ser rachada ao meio pelo pai e irmão, quando o irmão rapidamente saca a pica de dentro dela e leva até sua boquinha safada. Com uma mão ele direciona a pica na boca da irmã e com a outra segura a cabeça dela com força puxando em sua direção. Além do urro dado por ele enquanto gozava, deu pra se ouvir o engasgo da minha esposinha. Ela não aguentou receber tanta porra na garganta e o excesso vazava pelos cantos da boca, caindo nas tetas polpudas.rnLogo em seguida foi a vez do meu sogro... ele meteu com força na bundinha em movimentos largos e quando começou a esporrar a pica escorregou pra fora. Alguns dos jatos voaram pelas coxas e púbis de Ester, lambuzando ela toda, mas meu sogro rapidamente segura a pica e termina de gozar, urrando alto, metendo no primeiro buraco que encontrou: a bucetinha.rnNão aguentando toda a excitação que eu estava gozei um mar de porra, como nunca havia gozado em todo o pouco mais de um ano de casados (tomando o cuidado de não gemer alto, nem sujar nada; gozei num lenço de tecido, que costumo carregar no bolso). Não é que minha esposinha, com todo aquele sexo morno que tínhamos, conseguiu me dar a melhor gozada da vida? Depois disso não tive coragem em desmascarar o que eu descobri. Na verdade, estava louco pra assistir mais e mais.rnPra concluir ainda escuto o safado do pastor dizer: -- Sorte que arrumei um trouxa pra casar com vc, minha filha. Sua boca e sua bunda são uma delícia, mas seria um desperdício não poder meter e gozar nessa bucetinha. rnDae que entendi... a pressa dele em casar a filha é porque ele não queria tirar o cabaço da xoxota dela. Imagina a filha do pastor não casar virgem?! Depois do casário aqueles dois puderam usar e abusar de todos os orifícios da Ester como bem entendessem.rnSaí de casa em silêncio, tomando o cuidado de não deixar vestígios de que estive ali, enquanto os safados foram pro banho juntos. Ainda ouvi umas risadinhas vindas do banheiro, enquanto saía rapidinho. rnDepois disso armava seguidamente uma viagem e mentia sobre a data do retorno sá para pegar ela em eventuais transas com seu pai, seu irmão e... no práximo conto falo quem mais participava das brincadeiras. Sá posso dizer que minha esposinha me rende muitas punhetas maravilhosas.rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico soniferocontos esposa no baralhodepilano a buceta dela io cara comi elacontos eroticos eu minha familiaLer contos eroticos de casais casados fudendo dentro de cinemas com outros homenscontos eróticos evangelicascom minha filhinha novinha contos eróticosContos Eroticos Gay no confessionario com padrecontos eroticos em pomarConvenci minha mulher evangélica a dar a buceta contosEnage de busetaconto minha namorada greludaconto erotico tapacontos comida com meu namorado na cachoeiraconto erotico de pinto pequenoContos eroticos filha rabudadeu o cu na rua contosminha cunhada é coroa mas so usa fio dental e pega no meu pau escondidinho da irmãamiga travesti queria tirar virgindade eu dei eu chorei doeucontos erotecos dei mel rabao pro mel felho toludoconto erotico gay chupando tio bebadoconto minha mulher aronbadaconto erotico de mulher casada atraído o marido na praia de morro banco,cearaso metendo n mato n buceta da minha filha n causinha video mobilcontos eróticos gay lambendo rabo peludo de machocontos eroticos a mulher do meu cunhado crentecontos eróticos mas que porra de meio irmãocontos erotico de travesti do pau lindo e gostosos.contos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fazendo o bico dos seios dando de mamarhistória de contos erotico com novinha da vila senta no meucoloconto erotico gay seduzindo o sogroconto. a sugadora de. porraContos eroticos comendo a sogracontos eroticos arrombando a gordapeguei minha sigra dormindo sem calcinha e meti a pica nelao coroa ele me fudeu em cima da sua lancha conto eróticoOfereci meu cucontos eroticos de gordo dando o cu pela primeira vezcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto iroticos meu sogro comeu minha mulhe e minha filhacontos eroticos gratis estupro masoquismocontos eroticos de esposa puta e infielnovinhos fodeno apremira veizconto erotico peguei um filhote de cachorro e ele me fudeuminha esposa me contou suas aventuras sexuaiscontos eroticos tia velha 60 anoscache:6FK7RI0T9TcJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_476_eu-e-2-travestis.html contos eroticos menina de 07anos dando a xaninhamaisexo peituda senta e goza na boca do macho contos eróticoshome subimisso bebi xixi da rainha contos de incesto, eu vendo minha filha transar com meu patrãoContos eroticos cunhadacurra gordinha contoconto erotico comi minha irma casada no ranchoContos eróticos tetas gigantescontos eroticos castracao com medicacontos eroticos meu vizinho me bulinava gaycontos eróticos com fantasia pervertidaConto erotico fazendo meu irmao vira um tranvesticontos eróticos zoofilaMenina Má tava dormindo sem calcinha eu penetrei meu pau na b***** deladando pro vizinho maconheiro conto gayvi outro gozar na boca de minha mulher contosesposa puta do meu tio corno contocontos eroticos gay paulaconto erótico penha SC praiapriminho de pau durovoyeur de esposa conto eroticoCArnaval Antigo com muinto trAveco fazendo surubacontos eróticos esposa foi levada na saidinha de bancoxvidio travesti lisarolazueiras mais gostosas e fogosas da bunda grande e pernas grossassou cachorra de meu sobrinho casa do contosexo contos eroticos o amigo do meu marido me viu com um shortinho atolado no rego e nso resistiuconto senhora safadacasadas que so dao cu contos veridicoscontos eróticos de lesbicas na piscinaMinha ginecologista contos eroticossou o viadinho do trem contos eroticos