Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ENTÃO ISSO ERA BULLYING?!? CAP II

Para nunca esquecer: a primeira vez.rnrn Ao final das aulas daquele dia, o Ricardo perguntou se podia me acompanhar até a minha casa. Obviamente que podia! Mesmo que eu negasse ele iria, era certo.rn Iniciamos o caminho mudos, ele e eu, até que num dado momento em que entrecruzamos os olhares ele disse que sentia muito se tinha me magoado e sido bruto comigo. Eu disse que sim, tinha ficado assustado com tudo, mas que agora estava mais calmo.rn Falou-me que tinha gostado de mim logo que me viu e que notou que eu gostava de meninos, mesmo que ainda não tivesse descoberto isso...rn Num dado momento, apontou-me uma passagem entre duas casas e me chamou para conhecer um lugar que ele considerava um esconderijo seu. Apesar do medo inicial, ele me deu segurança de que nunca mais iria fazer-me algo que eu não quisesse fazer.rn Passando entre os terrenos de duas casas, deparamo-nos com um campinho de grama tosca, seguido por um bananal. Fomos até o início das árvores e acomodamo-nos num tronco tombado de bananeira. Ele, então, olhando-me nos olhos perguntou-me se havia gostado do que tinha acontecido no banheiro da escola, ao que eu, timidamente (sei que corei ali), respondi que sim.rn Sem nem me dar tempo de reação, o garoto tacou-me um beijo, sua língua invadindo-me a boca. Correspondi, meio sem saber o que fazia, mas gostando daquilo. Estávamos os dois muito excitados! Ele tocou meu pinto e eu o dele, que a essa altura estava como uma rocha.rn Ricardo levantou-se, abriu a calça deixando saltar o membro rijo e brilhante, oferecendo-o a minha boca. Imediatamente correspondi aquilo, passando a língua na cabeça grande daquele pau, sentindo o odor e o gosto do membro masculino do marmanjo.rn Engoli seguidamente aquele mastro, que forçava minha garganta levando-me a engasgar de vez em quando. Com os olhos molhados de lágrimas (em função dos engasgos), olhava para o menino, com o olhar suplicante: queria mais! Queria algo a mais! Ele me levantou, abaixou minhas calças, deixando-me com a calcinha branca.rn Enfiou o pauzão entre minhas coxas, iniciando um vai e vem frenético que me levou à loucura. Antes que ele gozasse, como tinha acontecido no banheiro da escola, virei-me de frente, abaixei a calcinha, emparelhando nossos membros. O dele era o dobro do meu! rn Ele abaixou-se e começou a sugar meu pau avidamente, o que me deixou alucinado de tesão! Em seguida, virou-me, empurrando minhas costas, de forma que eu me curvasse para frente. Enfiou a língua áspera entre minhas nádegas, alcançando meu buraquinho virgem (ou quase, afinal, a duchinha de minha mãe já tinha penetrado ali). Aquilo foi muito bom! Ficamos assim por longos minutos, até que ele começou a forçar o dedo em meu ânus, melecando-o com sua saliva espessa. Pediu-me que ficasse de quatro, os joelhos sobre o tronco caído da bananeira e as mãos no chão, mais a frente.rn Totalmente vulnerável, a bunda para cima, pernas abertas, senti Ricardo encostar a cabeçorra do pau em eu cuzinho que ansiava por aquilo. Iniciou-se ali uma manobra lenta mas persistente que, a cada estocada, penetrava pouco a pouco minha grutinha desejosa. Havia dor sim, mas o tesão era tanto, o desejo de ser tomado de assalto pelo pênis rijo do garoto era tamanho que eu não queria nem saber.rn Em pouco tempo os pentelhos de Ricardo roçavam em minha bunda, enquanto a cabeça de seu pau batia no fundo do meu reto. Era uma dorzinha gostosa aquela! As mãos fortes do meu dominador seguravam meu quadril, apertando-me contra si. Parecia que ele queria entrar todo ali. Que delícia!rn Meu pauzinho duríssimo começou a pingar uma gosminha enquanto o prazer vinha se aproximando. Não demorou a chegar o orgasmo. Não toquei a mão no pênis e, mesmo assim, gozei muito gostoso!rn Ao ouvir o meu gemido de prazer, Ricardo intensificou os movimentos, de forma que podia-se ouvir o estalar de nossos corpos se batendo. Mesmo já tendo gozado, sentia-me em êxtase naquela situação. Os urros de prazer de Ricardo faziam-me sentir um prazer interior muito grande. Eu pedia a ele que enfiasse tudo, forte, rápido e ele obedecia, sussurrando que eu era sua putinha deliciosa, que ele nunca tinha sentido o que estava sentindo naquele momento!rnDepois de uma estocada firme e profunda, o menino tirou o membro do meu cuzinho alargado e me puxou para trás, pondo-me de joelhos de frente para o seu pau. Disse-me que queria que eu provasse sua porra. rnAproximei minha boca aberta do pau reluzente do garoto, a língua estendida para aguardar meu prêmio. Apás um instante, Ricardo começou a gemer alto, masturbando-se freneticamente. O primeiro jato veio morno e ralo, molhando meus lábios. Passei a língua limpando-os e saboreando o gosto do sexo. Pouco depois ele deu mais uma esguichada em minha boca, agora de uma porra espessa e quente. Aparei tudo e, em seguida, engoli. Abocanhei seguidamente o pirulito do menino, deixando-o totalmente limpo.rn Sentamo-nos, exaustos, sem nos falar por alguns minutos. Recompus-me, dizendo a ele que precisava ir para casa, antes que a empregada se preocupasse e contasse para minha mãe sobre minha demora.rn Seguimos o caminho num silêncio constrangido, até que, nas proximidades de minha casa pedi-lhe que ele não contasse sobre o ocorrido para seus amigos. Tinha medo de que meus irmãos soubessem de algo. Expliquei-lhe que se alguém suspeitasse do ocorrido, teríamos que parar e eu não queria isso! Ele concordou.rn Ao entrar em casa, minha satisfação era evidente! A empregada notou e disse que o dia na escola tinha sido bom, ao que concordei, é claro.rn Fui direto para o banheiro tomar banho e, nu diante do espelho, arreganhei minhas nádegas para tentar ver se aquela experiência deixara alguma marca visível. Nada notei, a não ser uma dorzinha no ânus quando eu o contraía e relaxava.rn Ato contínuo, fui ficando excitado com a visão de mim mesmo no espelho e com a lembrança de minha primeira experiência sexual. Resolvi que precisava acalmar esse novo tesão e abri o armário do banheiro procurando a ducha íntima de mamãe, mas, ao pegá-la já não a achei suficiente e preferi um frasco de perfume que havia ali, mais comprido e grosso que a duchinha.rn Passei no pote cilíndrico um pouco de creme para cabelo e besuntei o cuzinho com o excesso que ficou no meu dedo.rn Coloquei o tubo no bidê, sentando-me sobre ele, forçando-o lentamente para dentro de meu orifício desvirginado. A dorzinha que eu sentia me lembrava da penetração de Ricardo e isso me deixava ainda mais excitado.rn Quando a tampa do frasco passou pelo anel de meu ânus eu usei a mão para empurrá-lo todo para dentro de meu reto. Que delícia! Fiquei assim, fazendo um movimento de entra e sai, hora lento, hora rápido, até que, ao cabo de alguns minutos esguichei minha porra para o chão do banheiro.rn Antes de tirar o frasco do rego, levantei-me e, de costas para o espelho, admirei mais um pouco a peça entrando e saindo de minha bundinha gulosa. Adorei essa visão e jamais deixei de praticar esse fetiche de penetrar-me com objetos os mais diversos, o que me causa, invariavelmente, momentos de intenso prazer.rn Os dias que se seguiram foram intensos em experiências novas e excitantes. Para mim, a partir de então, tudo que podia se parecer com um pênis automaticamente me causava um tesão enorme: cenouras, pepinos, a cabeceira trabalhada em ogiva de minha cama... O pauzão do Ricardo explorou-me intensamente naqueles dias.rn Haveria muito mais por vir!rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


fui encoxada no elevador conto pornoContos eróticos de esposas coroas de amigoscontos eróticos não sabia que meu marido era gayfui pra casa da minha tia ela cuidou de mim conto eroticoConto erotico estuprei a professoracontos eróticos esposa foi levada na saidinha de bancocontos eroticos so de pensar gozoesposa greludacontotravesti delicia de juiz de fora sendo enrabaconto banho com a namorada na academiao ator tadinho c* arrombadocontos eroticos papai 40 amigas i eu arrumaminha esposa fica de mini saia na frente de meu irmao conto de cornocontos eroticos de quata feira de cinzaquero ver o filme de pornô a mulher metendo o Cascão na gemendo gemendomeu corninho deixou fuder com outro ainda me ajudou chupar a picona do meu machohistoria erotica de tio taradaovideo de morena clara casada traindo com um bem dotado acima de 22 cmconto erótico namorada piranhaconto garoto estupradocontos eróticos entiada tesudaporno. pai. eu. falei que. naocontos empurrando no rabo tia martaconto noiva liberada no carnavalcomo dopar uma mulher e fazer sexo contoConto erotico coroa patroamulherbrasileira conversando putaria contosbate papo gay em Santarém Parácontos eroticos chatagiada a beber espermascontos eroticos minha esposa na praiacomendo a veia crente contosContos eroticos da mamae que pega seu filho se mastubando ela procura ver fica molhadaencapando o pau pra fudercontos sexo gostoso numa estrada deserta e na motocontos eróticos sobre sobrinhabucetudacontos eroticos gays estuprando meu irmão caçulinhavidios pornu mulhe qUe gota de trasa vetida com fataziaminha novinha tarada contocontos eroticos fodi minhas enteada gemeascontos fudelançabucetinha babadinha contoscontos eroticos casada deu para o porteirocontos eroticos esposa convida amiga pra fuder com maridomulher botando a x*** para o cachorro lamberContos eróticos teens troca trocacontos sexo minha esposa e sua familia especialhomen bulinando o penis no chortconto sacanagem com a.primacontos eroticos homems transando com meninas de oito anos com calcinha amarelacontos mamae piscina bronzeador bikinicontos gay me depilando e pego no flagraporno fetiche dar mendigoscontos eroticos casado medico gordinhocasa dos contos- conto gay-sexta feira do chaveiroConto erorico arombei minha amiga novinhacontos eroticos domme gravidaContos eroticos minha irman apostou o cu e perdeuconto sentado no colo e jogandoConto prima nunca viu paucontos erótico calcinha cheirando da minha Estuprei uma mulher obesa bebada dormindo de short largo contoConto erótico japonesa na cabine eróticoconto de sexo comi o cu da minha vóConto a buceta peluda da minha irmacontos esposa loira recatadacontos eróticos mamei nos peitinhos se formando incestoconto+foi+arebentado+grupo+travestesContos eroticos de incesto putaria entre familias em gang bang so de homens pauzudos no sitiocontos eroticos de mulher com travesticontos mulher casada mete com genro sem familia sabervideo porni incesto enteada puta umilha mãeesposa na praia de nudismo contochaves comendo o rabo da chiquinha pornoContos eróticos tio paiboa f*** travesti orgiaContos meu marido corno e chupadorcontoeroticocasadaconto erotico gay chupando tio bebadocontos picantes de lambida na chanaconto banho com tia timidaeu conto cunhada casada ver o cunhado de pau duro e fica loucapriminho de pau duromeu neguinho gostosocontos sarrando ninfetas